quarta-feira, 22 de Outubro de 2014

Mais novidades da escola nova

A Madalena hoje fez… brigadeiros. E trouxe dois para casa.
E já recebemos um recado, a pedir marmelos, porque vão fazer marmelada.
Que maravilha.



Passatempo Cocó e Chicco: last call!

Termina amanhã o passatempo que vos habilita a ganhar um dos 3 bilhetes duplos para a peça de teatro Zum Zum Bararibê, para este sábado, 25 de Outubro, às 15h, no Teatro Municipal Amélia Rey Colaço, em Algés. A peça é para crianças dos 3 meses aos 4 anos e tem o apoio da Chicco que, juntamente aqui com a vossa Cocó, oferecem estes bilhetes.

É só ir AQUI e preencher o formulário.
Têm até amanhã às 13h.
Boa sorte!


Fartinha

Daquelas pessoas que prometem mundos e fundos: "vou fazer um projecto este fim-de-semana e entrego-te na segunda". Esperamos por segunda. Vem terça, quarta, quinta, sexta… passam mais três fins-de-semana e continuamos à espera do tal projecto que ia fazer com que tivéssemos uma belíssima parceria. A sério?

Das que acabam de chegar a um posto de chefia e nos revelam uma postura muito profissional e um desejo de nos conhecer e conversar sobre o futuro. Sim, senhor. Marcamos um encontro. Vamos para o café combinado e enviamos uma mensagem a dizer que já chegámos. "Ah, lamento, não vou poder ir, surgiu um imprevisto". Sorrimos, como se já adivinhássemos. Ficamos a aguardar nova marcação. Que… não chega, claro.

Das que têm ideias brutais para nos propor. Coisas que vão mudar a nossa vida. Prometem novidades em breve. Passam-se semanas e nem um piu. Fica-se com uma confiança louca em malta assim e em projectos megalómanos geridos por quem promete e… não cumpre. Repetidamente.

Das que garantem que o dinheiro que nos devem vai ser desbloqueado, que já descobriram o que estava a bloquear a situação. Ficamos esperançosos. Passam-se semanas e a massa continua do lado de lá. O salvador da pátria? Nem piu.


Há momentos na vida em que percebemos, com uma clarividência dolorosa, por que raio este país chegou onde chegou. A incompetência, o desleixo, o deixa andar, o promete-e-não-cumpre, o diz que  faz mas não faz é pungente. Olho em redor e sinto falta, muita falta, de alguém com garra, com ganas de fazer, de ganhar, de cumprir, de chegar mais longe.


Dance like nobody's watching

Esta é a Madalena. Sem tirar nem pôr


Dress 4 Less

Dia 1 de Novembro vai haver, em Campo de Ourique, uma venda de roupas fabulásticas em segunda mão que não vão querer perder. Roupas, sapatos, carteiras e outras peças em 1ª e 2ª mão, tudo até 20 euros. Eu conheço as meninas e posso assegurar que é gente com bom gosto, por isso o mais certo é encontrarem-se, por lá, verdadeiras maravilhas a preços de troika.
É na Rua Tomás da Anunciação, 56 C.
Podem saber mais AQUI.


Um Édipo… diferente, vá

Ontem à noite, antes de adormecer:
- Adoro-te, mamã. Adoro-te tanto que queria casar contigo!

O Édipo baixou nela, não se importando com o facto de ela ser uma miúda e eu a mãe.


Este fim-de-semana, em Aveiro...

… vai haver o Mercadinho do Bebé, evento organizado com o apoio do Guia Mamãs e Bebés.
Este mercadinho tem como objectivo ser ponto de eleição da grávida para a criação do enxoval, mas também é destinado a mães e famílias.
Além da zona das compras, onde estarão presentes marcas giras de moda infantil com excelentes descontos, o evento também conta com várias actividades, das sessões fotográficas, a espaço infantil, sem esquecer workshops sobre massagem infantil, babyoga, preparação para o parto, nutrição infantil, amamentação, etc.
Eu, que não preciso de pretexto para ir a Aveiro (tenho lá boa parte do meu coração: irmã, cunhado e sobrinho), ia que nem um fuso se não fosse a coisa estar mais ou menos iminente e não me apetecer muito parir na A1.
Dias 25 e 26, no Centro Cultural e de Congressos de Aveiro.
Sábado: 10h - 19h
Domingo: 10h - 18h

A não perder, minha gente!


terça-feira, 21 de Outubro de 2014

E depois há o filho do meio

Vínhamos nós a sair da reunião com o Director de Turma do mais velho quando vimos que tínhamos ambos, cada um no seu telemóvel, uma chamada perdida do mesmo número. Olá? Quem é que nos terá tentado ligar, aos dois, que não esteja registado na nossa lista de contactos? Liguei de volta, ninguém atendeu, mas entretanto o Ricardo percebeu que tinha uma mensagem de voz. Fomos ouvir. Afinal não era uma mensagem, mas dava para ouvir a música que o colégio do Martim tem quando nos deixa em espera. Estava esclarecido o mistério: tinham-nos ligado do colégio. Oh, senhores! Acabados de sair de um problema, o que nos estaria reservado agora? Ligámos. Ah, a coordenadora não está aqui de momento para explicar. Já ligamos de volta. Ligaram. E então o que era? O Martim tinha começado a chorar na sala de aula, muito preocupado com a mãe. Porquê? Porque ontem a mãe teve um ataque da amiga ocitocina (hormona que, entre outras coisas, afrouxa a união entre os ossos e faz com que as grávidas, de vez em quando, sintam que os joelhos cedem, os tornozelos se deslocam ou as costas se desmontam) e ficou toda empanada, com dores na coluna, e sem conseguir dar um passo, em gritinhos histéricos, ai-ai-ai-ai-caneco-ai. Depois passou mas o Martim ficou ralado, com medo que a mãe tivesse outro daqueles acessos, estando sozinha em casa. E não descansou enquanto não ligaram, para se certificar que a mãe estava bem.
Este miúdo, cavalo bravo que é afinal tão doce, não para de me surpreender. 

Aaaaaaah, como eu aprecio a adolescência!

A vontade de pisar o risco, o questionar da autoridade, a rebelião perante as hierarquias, a argumentação incessante… tão bom. Tão bom.

O que adoro nesta escola? Adoro a atenção. O "estar em cima". Uma das coisas que mais temia, quando o Manel passou para o ensino público, era que não houvesse rédea curta. Que reinasse o "deixa andar". Sempre tinha ouvido falar de indisciplina, de miúdos que saíam pelas janelas e partiam portas e parecia sempre que não existia, no público, "nem rei nem roque". Não podia ter-me enganado mais, pelo menos no que diz respeito a esta escola em concreto: no dia da participação recebi logo um email do Director de Turma. Depois, um recado na caderneta a solicitar uma reunião para falarmos disto. Foi hoje. Não foi nada de muito grave, aparentemente o Manel gosta demasiado de conversar e tem dificuldade em controlar o tanto que tem para dizer ao mundo. A turma é toda de tal forma unida que, se não é controlada desde o início, descarrila. Hoje havia mais pais à espera da sua própria reunião, quando saí da minha. Porque, segundo o DT, é preciso dominar já estes pequenos fogos para evitar um incêndio. Concordo em absoluto. E cá por casa vamos ver de que modo usamos o extintor, para circunscrever as labaredas hormonais da criatura. Já disse o quanto aprecio a adolescência?


Hoje, às 17.30, no Mais Mulher (SIC Mulher)

Ana Rita Clara à conversa com bloggers, muitos bloggers.
Eu também fui. Revi conhecidos e amigos e gostei de ir, ainda que tivesse havido um pequeno problema com o banco em que me sentaram, que era alto e muito desconfortável para uma pessoa na minha imensa condição. Passei boa parte do tempo concentrada em não cair e em não abrir as pernas para me equilibrar e, por isso, não sei sequer se disse alguma coisa com sentido (provavelmente não, mas isso também não surpreende ninguém). Basicamente, foi como porem uma galinha cheia de ovos em cima de um poleiro alto. Mas no final até um email recebi com um pedido de desculpas pelo mau jeito, o que foi fofinho.

A segurar a barriga, não fosse ela cair, que as barrigas são muito traiçoeiras.