segunda-feira, 24 de Novembro de 2014

Obrigada, Mundo d'Encantar

Pela moldura fofinha.
Mundo d'Encantar AQUI.


E o Mojito? Que tal reagiu ao bebé?

Regrediu. Voltou aos xixis e cocós em casa, depois de loooongos passeios na rua, o que nos põe a todos à beira da loucura, sobretudo a quem sai de casa às 7h ou à meia-noite para o passear. Voltou à excitação desmedida, aos saltos (com o perigo que implica um salto com as enormes patas e unhas acertarem no Mateus), voltou às trincas de amor (com o perigo que implica uma trica de amor no Mateus). Roeu-nos todos os cantos da mesa da cozinha, de maneira que agora temos uma mesa com um design único!

Há 15 dias que não temos aulas com ele, por razões óbvias. Mas amanhã o treinador volta cá a casa, para ver se põe este bicho na ordem. Amanhã vai ser dia de desfilar todo o rol de queixas sobre ele. O treinador vai fazer aquele ar fofinho de quem diz "a culpa é toda vossa, estão a fazer tudo mal". E eu sou bem capaz de lhe dar uma dentada.

Mada, a santinha (do pau oco)

Madalena: - Sabes, já não gosto tanto do João Pedro. Ele anda-se a esticar.
Eu: - ?? A esticar? A esticar como?
Madalena: - A portal mal… A Manuela já o avisou mais do que uma vez.
Eu: - E tu não gostas de quem se porta mal, é isso?
Madalena: - Claro que não!

[rapariga avisada, esta. Gostar de bad boys, geralmente, é uma tentação mas uma dor de cabeça dos diabos]

Boa semana, pessoas!


Se for tão boa e serena como os primeiros 15 dias deste bicho, vão ter uma semana santa.

domingo, 23 de Novembro de 2014

Casas onde a cocó não se importava de morar #59

Em nos calhando o Euromilhões, era bem capaz de ser esta a escolhida. Ah, então e não preferias uma moradia em cima do mar, feita de raiz, todinha a teu gosto? Pois, se calhar também era bonito. Mas eu amo o Príncipe Real, onde já vivi e fui muito feliz. E esta casa tirou-me mesmo do sério. É um duplex com 7 assoalhadas (337m2) em casa senhorial do Séc. XIX totalmente remodelada. Tem um grande terraço no 1º piso, sobranceiro ao jardim de 450 m2.
A sala de estar tem 56, 20 m2, a sala de jantar mede 15,80 m2. Tem 3 suites (46,44 m2, 34,10 m2, 18,99m2), outra sala de estar de 26m2, um quarto de 9,50 m2, uma cozinha com 18,53 m2. E três lugares de garagem. E piscina. A mim, parece-me perfeito. Acho que nós os seis e o Mojito íamos ser muuuuuuito felizes aqui. Pena custar 2.450.000 euros.


















Ainda a maravilhosa escola (e educadora) da Mada

A educadora da Madalena nasceu para fazer o que faz. Está sempre a inventar actividades, coisinhas, mimos para levar para casa, aproveitando os dias disto e daquilo, ou simplesmente porque sim, sem ser a reboque de dia algum.
Quando o Mateus nasceu, ainda eu estava no hospital, a Madalena apareceu com um trabalho para homenagear a chegada do irmão. "É um biberão! A Manuela e a São ajudaram-me a fazer!" Achei de um cuidado e de uma ternura incríveis. Obrigada!


Socorro, estou a ser engolida!

Isto de amamentar de duas em duas horas está a fazer-me sentir verdadeiramente sugada.
Às vezes acho que ele me vai engolir inteira. Que até a alma se me esvai. Tenho umas olheiras até ao queixo e só espero que ele ganhe peso e eu… perca. Afinal, temos de ser uns para os outros.


sábado, 22 de Novembro de 2014

E lá foi o mais velho...

… ao seu primeiro concerto no Meo Arena.
E a mim doem-me as cruzes.


Do bebé já sabemos. E tu, Cocó?

Eu estou fina. Sete dias depois do parto levei a pancada do costume na cabeça, maldito baby blues que parece uma carraça, posso ter uma dúzia de filhos que não me livro daquela nostalgia imbecil que me faz andar a chorar pelos cantos como se, em vez de um filho, me tivesse nascido uma desgraça. Desta vez, porém, foi mais leve. Durou umas 24 horas. Comecei a chorar na sexta (o Mateus nasceu numa segunda), mas ainda sentia que era de alegria. "Estou tão emocionadaaaaaaa chuinf", "Estou tão felizzzzzz chuinf", "Ele é tão queridoooooo chuinf". Depois, no sábado, a coisa já era descontrolada. Sempre a dizer e a repetir que não queria que os dias avançassem, que queria perpetuar o momento do parto, que tinha sido tudo tão rápido, porque é que não podíamos fazer um "Pause" no tempo, para que este momento de enamoramento e descoberta durasse mais e mais? Parecia uma neurótica, há que dizê-lo com frontalidade. Enfim, hormonas. O que me vale é que já sei que me dá forte mas passa depressa. E, com efeito, no domingo já estava impecável. Que alívio.
Esta semana que passou foi de recomeço do quotidiano (ainda sem a parte do meu regresso ao trabalho): ir buscar e levar à escola, e às actividades, debaixo de chuva, com o desgraçado atrás e a costura ainda um bocado fresca. Não tinha dores, agora já tenho - claro. Mas a vida não para, por muito que, às vezes, me desse jeito. Na verdade, dava-me mesmo muito jeito poder ficar a lamber a cria nova mais tempo, com o pai, numa cena tipo presépio. Assim sendo, há que encarar isto como um presépio em movimento contínuo. É diferente. Mas também tem os seus encantos.

Cenas da vida doméstica

Sentada no sofá da sala, a fazer o que mais faço nos últimos dias (amamentar):
- Trazes-me, por favor, uma fralda, toalhitas e Mitosyl, que acho que ele tem cocó?
- Sim.
- Ah, e discos [de amamentação]. E uma garrafa de Pleno, que estou morta de sede. E compressas. E soro fisiológico...
- Espera. Vou escrever.