terça-feira, 30 de Setembro de 2014

Granola com... proteína viva

Aqui há uns tempos comprei uma Granola numa loja que - diziam-me - tinha uma Granola mesmo boa. Não mentiram. A sacana era deliciosa, com frutos secos inteirinhos, estaladiça, uma maravilha, nhami, nhami. Vendia-se avulso e nós, apostados numa vida mais saudável, comprámos, todos contentes. No outro dia, a minha despensa estava carregada de traças e a D. Emília, depois de as combater, deitou o saco da Granola para o lixo por ter traças e não estar próprio para consumo. Ok. Ainda tínhamos um bocadinho guardado numa caixa de plástico. Este fim-de-semana ia morrendo. O Ricardo abriu a caixa e o que viu foi um ninho de larvas, serpenteando-se pela Granola, uma coisa medonha com teias e tudo, e eu só não me vomitei toda na hora porque sou pessoa com alguma resistência ao vómito (excepção para o primeiro trimestre da gravidez).
Fica, pois, o alerta. Granolas e outros cereais, vendidos avulso, sem conservantes e cenas… podem ser estupidamente naturais e maravilhosamente biológicos. Mas eu cá dispenso bem a proteína viva e em movimento. Entre isso e um químico ou outro, acho que ainda prefiro o químico. Manias.

Inspira, expira, inspira...

Ontem o desgraçado acabou por não levar as lentes. Não foi capaz de as meter. Hoje, nova tentativa. Sua ele, suo eu. Ele grita, eu grito. Olha em frente! Olha para baixo! Abre o raio do olho, caraças! Não pisques! Estás a gozar ou quê?
Tento ajudar mas pioro tudo. Mas se saio de cena ele começa a enervar-me com os urros que dá.
AAAAAAAAAAAAAAARGH!!!!!!!!!!
Como podem dois círculos tão pequeninos e transparentes esfrangalharem os nervos de uma pessoa logo pela manhã?
E agora vou só ali tomar o segundo banho do dia.

segunda-feira, 29 de Setembro de 2014

Uma looooonga aprendizagem

O treinador veio às 21h. Antes disso a Madalena teve inglês, depois fomos levar o Martim ao ténis, ficámos por lá a assistir à aula que acabou às 20h, chegámos a casa e foi jantar depressa, que o treinador havia de estar a chegar. Chegou mal engolimos a fruta. Chama-se Ricardo e explicou tudo muito bem. Gostámos todos muito dele. Este foi apenas um primeiro encontro, de avaliação. As aulas começam de seguida, duas vezes por semana.
Aprendemos os 4 princípios básicos da psicologia canina: vantagem/desvantagem; reforço/punição.
Aprendemos os benefícios dos brinquedos interactivos, que podemos comprar ou fazer nós próprios.
Percebemos de onde vêm alguns dos medos do Mojito.
Compreendemos o conceito de recursos escassos e foi-nos explicado que a palavra "toma" é, a partir de agora, a nossa pior inimiga. A palavra a repetir é, de agora em diante, Mojito, sobretudo quando associada a reforços positivos. E tomámos consciência de que o Clicker vai ser, daqui para a frente, um grande aliado. Fomos introduzidos às noções de clareza e simplicidade do cérebro de um cão: "Senta!" significa apenas "fica com o rabo no chão" e não mais do que isso. Recebemos a indicação de que vai ser preciso ignorá-lo quando gane - ainda que custe - e só o premiar depois de se calar. Percebemos que a repetição dos comportamentos, seguidos de igual forma por todos os membros da família, será a nossa salvação.
Ele esteve cá uma hora e meia e sentimos que podia continuar, porque descobrimos imensas coisas novas e que fazem todo o sentido. De facto, até mesmo um cão pode ensinar-nos todo um novo mundo. Basta estar aberto a isso. Basta querer aprender. Let the games begin!


Quando o telefone toca

Quem é seguida pelo Dr. Fernando Cirurgião sabe do que falo. Geralmente, sempre que o telefone toca, em dia de consulta, é para informar que a dita cuja foi adiada por mais uma hora ou duas. E não é raro receber-se vários telefonemas ou mensagens, com novos adiamentos. Melhor assim do que passar toda uma tarde no consultório. Assim, uma pessoa está em casa e só sai quando tem a certeza que é atendida pouco depois de lá chegar. E é atendida sempre com aquela calma e doçura, como se fosse a única mulher grávida do planeta.
Hoje, porém, o telefone tocou e não era dia de consulta. A consulta das 32 semanas estava marcada para quarta-feira por isso, quando ouvi a voz da Ana, estranhei. Era então para perguntar se poderia ficar antes para amanhã, à mesma hora. Quem está grávida sabe como isto sabe bem: antecipar uma consulta, antecipar o momento em que vamos saber se está tudo bem, antecipar o dia em que vamos tornar a espreitar o nosso bicharoco, antecipar o esclarecimento de dúvidas, o sossego de receios. Tão bom...
É já amanhã!

Calma...

Não se inquietem os espíritos mais agitados, que baby M também possui babygrows… Não andará toda a sua vida de bebé com golinhas à Camões ou a trajar "vestidos", coitadinho, sabe Deus o que isso poderia fazer à sua masculinidade! Sossegai, boas gentes. Sossegai. Baby M também terá os seus pijaminhas, sem mariquices de laços, toucas e rendas. Por aqui até calças de ganga e camisas "à homem" existem, no armário, logo para o tamanho 1M. Teremos pois um baby M versátil, capaz de parecer saído da Idade Média num dia, e da pós-modernidade no outro.


Um dos meus preferidos: bear style

É de ser miúda?

Nunca nenhum dos meus rapazes ficou nesta felicidade por levar para a escola dois sacos carregados de cartolinas, feltros, canetas, lápis, aguarelas, barro. Nunca. Sempre levaram o material escolar com a mesma indiferença de quem carrega isso ou outra tralha qualquer. Quando os livros chegam, em Setembro, eles nem olham para eles duas vezes. Arrumam-nos na secretária e está bom. Ela? Ficou numa excitação sem fim quando lhe mostrei as sacadas de artigos de papelaria e, sobretudo, quando lhe disse que era tudo para fazer muuuuuuitos trabalhos.
- Até que enfim, trabalhar a sério!
Todos os dias se senta a fingir que está a fazer contas, letras, frases. Quer à força aprender a ler e a escrever, ainda que lhe diga que tem muito tempo para isso, que não a ensino porque quero que aprenda só na altura certa, quando passar para o 1º ano, caso contrário chega lá e já sabe tudo.
- Pois, mas eu quero saber tudo já! E quero chegar ao 1º ano a saber mais do que os outros!
Isto é coisa de gaja ou esta vai ser do tipo marrão?
Temos aqui um terreno fértil ou é coisinha para lhe passar num ápice?
Para quem está acostumada a só ouvir falar com tamanho entusiasmo de esféricos… ficam muitas dúvidas no ar.


Mojito vai ao psicólogo

Ou melhor, o "psicólogo" é que vem cá hoje. Às 20.30. É o treinador de cães, que vai fazer uma primeira "avaliação". Pediu para estar toda a família. E eu já me imagino a dizer aquelas coisas que os donos de cães problemáticos dizem ao Cesar Millan, e já imagino o treinador todo zen, a pôr o Mojito todo obediente, a fazer-se de morto. Vai ser toda uma nova aventura.


Lentes de contacto

Ontem, na óptica, até correu bem. Quer dizer, o rapaz levou dois séculos a conseguir tirar a lente do olho direito, mais dois séculos a conseguir colocá-la, e repetiu o processo no olho esquerdo. Normal. Veio com elas nos olhos, todo contente por conseguir enxergar sem óculos, e para as tirar nem foi assim um drama tão grande como esperava. Mas hoje…

Hoje...
Já transpirei, já gritei, já tentei, já soprei para a cara dele, já quase lhe dei um estalo.
Ele sopra, berra com a lente, deixa-a cair, enerva-se, até já se sentiu mal.
Tem duas enormes desvantagens: pestanas densas como vassouras e olhos rasgados onde a lente parece que nem cabe.
Acabo de o mandar fazer um intervalo e sair com o cão à rua, para apanhar ar na marmita, a ver se volta com outro ânimo.
Que filme!


domingo, 28 de Setembro de 2014

Cueiros

Nos primeiros dias de um recém-nascido não há coisa melhor para lhes vestir do que cueiros. São muito práticos e lindos. Com uma camisinha de cambraia de gola ficam uns príncipes. Há quem torça o nariz quando se trata de rapazes, por achar que um cueiro é um vestido, o que é um verdadeiro disparate. Um cueiro é um cueiro e ponto final. São a peça mais tradicional de bebé que existe. Cá por casa todos usaram e, agora, só tive de comprar um, para o baby M estrear quando nascer. Este foi o escolhido. Ainda não tinha nenhum com bolinhas, logo eu que adoro o padrão. Mal lhes botei os olhos em cima foi amor à primeira vista.

Alguns dos cueiros dos manos, que vão agora aconchegar baby M nos primeiros dias.




Cão multitask

Vamos finalmente começar as aulas com o Mojito, para ver se ele se transforma num cão civilizado.
Infelizmente não vamos poder ir ao treinador que me tinham recomendado, em Cascais, porque ir todas as semanas para tão longe, no meio da histeria da nossa vida, era meio caminho andado para deixarmos de frequentar as aulas caninas (mas confesso que fico cheia de pena, querida Sofia).
Bom, estávamos então a fazer a lista das coisas que queremos que o bicho aprenda. À medida que ia escrevendo num papel, ia dizendo em voz alta:
- Deixar de acordar às 6.30 da manhã todos os dias; deixar de ficar meia-hora a 45 minutos na rua e depois vir fazer em casa; parar de saltar para cima de nós deixando-nos os braços e as costas em sangue; parar de ir o caminho todo a roer a trela (já destruiu três); não puxar; vir quando o chamamos para o podermos soltar sem medo que fuja; não roer a cama…

Devo ter engolido umas palavras ao dizer esta última pretensão porque o Ricardo parou o que estava a dizer para exclamar:
- Fazer a cama??????
- Ahahahahaahahahah! Sim! Fazer a cama, lavar a loiça, passar a ferro… Vai ficar um espectáculo de cão!