sexta-feira, 26 de Fevereiro de 2010

Servilusa

Ontem e hoje passámos, eu e o fotógrafo Gonçalo F. Santos, o dia na Servilusa. Vimos mortos a serem vestidos e maquilhados para não estarem tão roxos, vimos a primeira abordagem dos técnicos comerciais aos clientes (de luto), vimos um homem todo aberto, com as vísceras dentro de um saco e o crânio sem cérebro dentro, só uma caixa vazia. Foi duro (ontem não jantei e hoje também não). Mas o profissionalismo da Servilusa ajudou a suportar. Uma reportagem para sair na revista Nós Tristes, do jornal i, do próximo sábado, dia 6 de Março.

Amanhã, sábado 27 de Fevereiro, sai a revista Nós Vencedores, com quatro histórias escritas por mim e fotografadas pelo Gonçalo e pelo Paulo Alexandrino, de quatro vencedores extraordinários (um venceu a pobreza, outro venceu a deficiência, outro venceu o cancro e outro a obesidade).
Agora vou tentar dormir. Vou tentar esquecer a cara do homem (com apenas mais 4 anos que eu) que se suicidou com uma bala na cabeça e que eu vi, ali, a ser composto durante várias horas, depois de uma autópsia, para a família poder dizer o último adeus com dignidade.

28 comentários :

sofia disse...

Não posso esperar para ler a reportagem...
Há trabalhos difíceis, mas alguém tem mesmo de os fazer...that's the way life is...
Vou comprar o I para ler.
Sofia

Anónimo disse...

Parabéns pelo blog, pela Mae e mulher que demonstra ser e por escrever de forma tão envolvente. Obrigada.
Angela

Inês disse...

Eu sei o que isso é!
O meu namorado trabalha lá à sete anos e as vezes temos desse tipos de conversas.
Um dia gostava de assistir a uma taranopaxia (acho que é assim que se escreve), tenho curiosidade!

beijinhos*

Paulinha disse...

Nem toda a gente tem "estômago" para certos trabalhos, o importante é que os que os têm, estejam lá, e não outros!

Ana Mafalda disse...

Eu ainda não acredito no que estou a ler...
Eu trabalho na servilusa, e fartei-me de a ver o dia todo com o meu colega a visitar tudo lá na empresa. Nunca me passou pela cabeça que fosse a Sónia!!! Eu tava sentada na mesa, mesmo à sua frente e sabia que estavam a fazer uma reportagem para o jornal, sabia que era uma jornalista freelancer, mas nunca me passou pela cabeça que era você... Mas que coisa!!
Fico contente por saber que ficou bem impressionada, o nosso trabalho não é facil, mas é compensador.
Mal posso esperar para ver a reportagem. Na Servilusa, estamos muito entusiasmados por ver.
Um grande beijinho, e se voltar lá avise-me, que eu apresento-me!

missanga disse...

Tomei conhecimento do s blog p m filha. Gosto mto d s maneira facil e ágil, de relatar assuntos p vezes simples m encantadores. Continue sp assim simples e objectiva mas c fundamento. Parabens p s trabalho p s familia. Missanga

Sorcha disse...

olá.
sou enfermeira no serviço cirurgico-oncológico e, infelizmente, tenho muitas vezes de "preparar" o corpo para a morgue. O que implica limpeza; posicionamento correcto do corpo para não ser necessário os sr's da funerária partirem ossos ao vestir os corpos; etc... após 4 anos e de centenas de mortes, ainda me custa!

Sofia Ribas disse...

onde posso comprar o i??
obrigada:D

Juanna disse...

Sim, pois.. Não consigo deixar de me rir (com amargura) quando penso no meu pai e no meu irmão, ambos maquilhados para não parecerem tão mortos.. horrendo.

SMS disse...

O i? Pode ser comprado em qualquer banca!

Anónimo disse...

olá!! mas eu sou dos açores e gostava de le as reportagens!!! será possivel publicar aqui??
bjs e obrigado

A mamã da Beatriz... disse...

Suponho que tenha sido muito dura essa reportagem... Já fui a vários funerais, mas nunca fui capaz de ver o defunto... Prefiro guardar uma imagem da pessoa viva, de preferência em bons momentos...
Já agora, qual a reportagem que lhe deu mais prazer fazer, ainda que dificil, desagradável (ou não)?
Bjos
Helena

Sandra disse...

Podias fazer parte da edição anterior: Foste muito corajosa!!
Até fiquei arrepiada. Acrescento a vontade de comprar a edição com esta reportagem.

Um abraço e continuação de bons trabalhos, incluindo a manutenção deste blogue irresistível.

Carla Isabel disse...

Sem palavras...coragem, amiga!

Bjs

scorpiowoman disse...

Há já muito tempo que por aqui vou passando, lendo, comentando de mim para mim...
Gosto da sua maneira de escrever, da forma como aborda todos os assuntos.
Também conheço o serviço da Servilusa. A minha família já paritu toda. Resto eu.
No caso da minha mãe, que faleceu em casa (51 anos, vítima de cancro), fui eu (com o auxílio de uma amiga) quem tratou de tudo: lavar, limpar e vestir, pentear e calçar. Faltavam oito dias para eu fazer 23 anos e ela só queria passar o dia ao meu lado. Fê-lo em espírito e sem mais sofrimento. Já lá vão quase 11 anos.
São etapas da vida que, de uma forma ou de outra, nos marcam, mas fazem parte da mesma e resta-nos aceitar isso mesmo e que, mesmo com toda a dor e todo o luto, ela continua e para a frente é que é o caminho.
Obrigada por nos encher os dias com as suas palavras.
Tudo de bom. Um grande beijinho. Rosália.

Maria minhoca disse...

QUE CORAGEM!!!!!!!!
Eu nao conseguia!

3Picuinhas disse...

a minha avó que era alentejana tinha muitos ditados, um deles: " o que não te mata, faz-te mais forte" :)...ainda assim foste muito valente, agora é deixar passar uns dias...um abraço

Ana Martins disse...

Que coragem!
Há coisas que ainda são tebu para mim e esse é um deles, faz-me imensa confusão, não consigo ver mortos, nem tocar-lhes...
Um dia tens que pensar em escrever sobre o trabalho dos jornalistas, sobre as reportagens mais ingratas que têm que ser feitas e sobre aqueles que as fazem...OK?

O Legislador disse...

Um amigo meu da Servilusa disse-me que já era possível transformar as cinzas dos nossos familiares em jóias.
Dá todo um novo significado à frase: a minha avó é uma jóia de pessoa.

Anónimo disse...

Olá, Sónia,
Li no sábado as tuas reportagens ba "Nós, vencedores" e agradeço-te. A reportagem sobre a rapariga que cegou e deu a volta por cima fez-me emgolir em seco. Recortei-a, guardei-a. Deu-me esperança. Como estou cega de um olho e do outro não sei o que o futuro me reserva ( depois de tantas chatices e operações...), é muito reconfortante constatar que estas pessoas, iguais a nós, podem perfeitamente ser felizes e autónomas.
Obrigada.

Sílvia C.

Mãe(q.b.) disse...

Ai credo mulher, as reportagens que tu fazes :S

mas parabéns pela coragem (e estomago)!

jocas

GFS disse...

alo,

gostava mesmo de realçar o espirito de todos os que trabalham na servilusa que, mesmo depois de longos anos, continuam com uma humanidade imensa. sendo um dos trabalhos mais dificeis que fiz com a sonia, foi bastante facilitado por que esteve a ajudar.

bjos e abraços

ETERNA disse...

Olá Sónia, parabéns pela reportagem é pena que haja tanta corrupção nesse meio, principalmente na servilusa, espero que possa vir a fazer uma reportagem sobre essa mesma corrupção, tem ai pano para mangas
Dora
Eterna Trindade

ETERNA disse...

Olá Sónia, Parabens pela reportagem só é pena que haja tanta corrupção nesse meio, nomeadamente na servilusa, espero que um dia possa vir a fazer uma reportagem sobre essa mesma corrupção, tem ai pano para mangas
Dora
Etrena Trindade

Anónimo disse...

boa noite, o meu pai faleceu nos meus braços,no passado mês de fevereiro(2011) no hospital de santa marta em Lisboa no dia em que tinha alta,enfim esperou por mim para partir (71 anos) nesse momento perdi o medo de tudo depois ja de falecido estive com ele dei lhe um beijo na testa ainda estava quente,no dia seguinte tive de ir buscar e reconhecer o corpo na morgue do H.de Sao josé , a servilusa estava comigo, a senhora chamou me a uma sala onde o meu pai já estava vestido e com a cara muito bonita muito bem composta, eu entrei sorri e disse é o meu pai eles nao estavam á espera desta reacção, no dia do funeral dei outro beijo no meu pai já estava muito frio, ito para vos dizer que nunca tinha tocado num morto mas quando são os nossos ai sim sabemos que não os voltamos a ver tão (depressa)e nao faz impressao nenhuma, tb quero agradecer á Servilusa pelo seu belissimo trabalho e humanismo sem duvida sao muito humanos obrigado.

marlene disse...

AS pessoas q acham q na servilusa á corrupçao estao mto enganadas ; nao sabem o q dizem ! É UMA EMPRESA MTO SÉRIA E CREDIVEL !MAS as pessoas p dizer mal estao prontinhas , nao é ? enfim...

Anónimo disse...

Cara Marlene, como em muitas empresas existem os que são beneficiados e os que não são. olhe que lá dentro tb existe muita coisinha que não presta. Embirrações com funcionários, cortes a uns para favorecer outros... Bem não nos alarguemos. pano para mangas. Trabalha lá? Se trabalha está equivocada ou cega. Ou então é dos sortudos que cairam em graça. Mas é assim em muita empresa Portuguesa.

Anónimo disse...

caro amigo, não tive oportunidade de ler a sua entrevista, mas será que num dia teve logo acesso a ver as tais visceras ou cránios dentro de caixas vazias . . . duvido um pouco porque trabalhos como este, ainda para mais a servilusa com o seu profissionalismo acima do que qualquer outro técnico em portugal tive se vos dado acesso a tal serviço de acesso restrito que qualquer agencia de serviços funebres não tem acesso. alias uma tanopraxia visto que nos dias de hoje á tanta informação espalhada na internet podiam informar se melhor pois pensam que esta tecnica é feita com um cadaver todo aberto tipo autopsia e não mais do que um simples golpe na arteria e injectar um liquido para manter o cadaver em perfeitas condiçoes para se manter apresentavel meia duzia de dias. quanto ao nao almoçar isso é uma forma de um ser humano habituar se diariamente a este tipo de trabalho pois nada é mais simples do que trabalhar neste ramo, basta para isso ter humildade, e máximo rigor profissional para dignificar a ultima homenagem ao falecido.

cumprimentos e o desejos de sucesso para a sua carreira