terça-feira, 28 de Janeiro de 2014

Fica difícil

Depois do post anterior fica difícil voltar aqui e dizer uma banalidade qualquer. Uma graçola. Um episódio da minha vida normal, uma coisa qualquer dos miúdos. Fica difícil dizer seja o que for. Uma pessoa até se sente culpada por ser feliz, e pensa que é injusto que o mundo não pare de girar enquanto não apareça o Rui Pedro e todas as outras crianças desaparecidas. É injusto que a vida pule e avance, que o dia se siga à noite, que a Primavera venha depois do Inverno, e assim sucessivamente como se uma criança arrancada dos braços da mãe fosse apenas uma trivialidade da existência, algo com que pudéssemos viver tranquilamente porque é uma daquelas coisas que acontece. Acontece, uma porra! Não pode acontecer! Como é que isto acontece? 16 anos depois e a mesma incredulidade, e o mesmo pavor, e a mesma sensação de impotência.
É. Depois do post anterior fica difícil dizer mais alguma coisa.
Daqui a pouco talvez consiga. Para já ainda não.
O vídeo tem 1 minuto. Partilhem-no. Eu sei que já passou muito tempo. Mas nunca é tarde para tentar descobrir seja o que for que ajude esta mãe a encontrar o filho.

10 comentários :

Juanna disse...

Já foi há muito tempo mas foi ontem, é hoje e será amanhã para muitas pessoas, partilhar não custa. Quem sabe se um amigo de um amigo de outro amigo vê isto e sabe de algo. Partilhar para todos, sff.

homem sem blogue disse...

Só consegui ver o vídeo, do princípio ao fim, uma vez...

homem sem blogue
homemsemblogue.blogspot.pt

O Sexo e a Idade disse...

Estou igual aqui deste lado...

Silvina Santos disse...

O dia está cinzento lá fora. Fica mais difícil ainda... E olhando para os olhos daquela mãe, é impossível não ver a tristeza que lá vai. É impossível não perceber que todos os dias dos últimos 16 anos têm sido cinzentos. :(

Estouvadita disse...

Olá Sónia, acabei de ver o o vídeo e já o partilhei nas redes sociais. É impossível ficar indiferente! Um rosto com o sofrimento e a dor completamente estampados...

Pipoca Arrumadinha disse...

Muita força para eles!

Diana disse...

E eu a queixar-me que o mais velho não me dá descanso e o de 3 meses ainda acorda muito durante a noite! Tenho os dois comigo, felizes e saudáveis, que mais posso querer... Muita força para esta mãe... não consigo imaginar a dor dela, ou melhor, até consigo, mas deve ser mil vezes pior!

kombi disse...

E eu que sou acusada de não deixar crescer as minhas filhas qd ainda as levo á escola, como posso se aqui em frente é só mato até á paragem de autocarro mais proximo, e depois tenho momentos como o de hoje em compras no lidl e a de 10 anos diz-me que vai para o centro da loja a onde estão os artigos da semana e eu digo-lhe que ando pelos frescos, quero deixa-la crescer, observar sozinha, escolher, mas eu ali nos frescos de olho nela ali em frente, é que me passou pela cabeça que sim já é crescida para ver se alguem a importuna mas quem está por mal pode ser o mais simpatico e amigo :(

Ninguem fica indiferente ao sofrimento dessa mãe, ela não vive, sobrevive :(

kombi disse...

E eu que sou acusada de não deixar crescer as minhas filhas qd ainda as levo á escola, como posso se aqui em frente é só mato até á paragem de autocarro mais proximo, e depois tenho momentos como o de hoje em compras no lidl e a de 10 anos diz-me que vai para o centro da loja a onde estão os artigos da semana e eu digo-lhe que ando pelos frescos, quero deixa-la crescer, observar sozinha, escolher, mas eu ali nos frescos de olho nela ali em frente, é que me passou pela cabeça que sim já é crescida para ver se alguem a importuna mas quem está por mal pode ser o mais simpatico e amigo :(

Ninguem fica indiferente ao sofrimento dessa mãe, ela não vive, sobrevive :(

apresento isto disse...

Tem toda a razão. A puta da vida continua, e ha alturas em que isso desemboca numa revolta enorme.
Incrível a inteligência emocional da Sónia e essa capacidade de empatizar. Fora do comum (admirável para mim mas deve ser agonizante para si).

Conhecemo-nos no Todos por Um, por isso deixo aqui um beijinho. :)