sábado, 25 de Janeiro de 2014

Nuvaring

Lembram-se de ter perguntado se usavam?
Algumas de vós perguntaram a razão da pergunta.
A razão está AQUI.
Que medo.

18 comentários :

Krys disse...

Ola Sonia,
Nunca usei Nuvaring, mas tomei a pilula e tive a sorte de sobreviver a uma embolia pulmonar - todos os contraceptivos hormonais sao agora proibidos para mim.
Tomei a pilula mercilon de 2001 a 2008 sempre sem problemas; mudei para a yasminelle em 2008 mas apenas por uns meses pois nao me dei nada bem, sentia-me "estranha";
em 2009 engravidei e depois da gravidez comecei a tomar a cezarette.
Foi para mim uma surpresa quando em 2011 me vejo internada em estado critico, devido a uma embolia pulmonar com os meus 30 anos. Depois de varios exames geneticos detectaram-me uma alteracao genetica que multiplica por 4 a probabilidade de desenvolver coagulos...juntando-lhe a pilula...
O meu conselho: tenham cuidado com todos os contraceptivos hormonais, informem-se bem antes de os utilizarem.
Eu tive a sorte de sobreviver, mas muitas outras como eu nao...as embolias pulmonares sao muito graves e nao dao pre-aviso...num segundo estamos com um sorriso radiante na cara e no segundo seguinte podemos ja ca nao estar...
Cuidem-se porque apenas temos uma vida!
Krys

Paula disse...

Medo mesmo.
Continuo a usar as pílulas tradicionais.
Depois do nascimento do 3º tentei uma das pílulas "novas", com o novo estrogénio, um autocolante que se cola durante 3 semanas.
Ia morrendo de dores de cabeça durante uma semana por mês!
vidademulheraos40.blogspot.com.

Ana disse...

Valha-me todos os santos, que já não há pachorra para tanto sensasionalismo. Com todo o respeito e simpatia que me merece a rapariga em questão, o artigo é absolutamente atroz e a puxar a indignação barata.

1 - todas as drogas têm riscos;
2- os contraceptivos hormonais - QUALQUER UM - têm um risco de fenómenos tromboembólicos, pelo que não devem ser utilizados (ou devem ser usados com precaução) em pessoas com risco familiar de tromboembolismo, doenças protrombóticas e mulheres fumadoras;
3 - não descartando o facto de o Nuvaring poder, de facto, ter um efeito protrombótico superior ao dos contraceptivos orais, tal ainda não foi provado, ou obviamente já tinha sido retirado do mercado;

As companhias farmacêuticas existem para fazer dinheiro, com interesse próprio, evidentemente, mas paralelamente geram fundos para criar novas drogas que salvam vidas, muitas vezes com efeitos desconhecidos a curto prazo. Estes efeitos não fazem parte de um complô farmacêutico para aniquilar a humanidade com drogas letais.

Enfim. Por argumentos parecidos com estes algumas mães deixaram de vacinar os filhos para a varíola...

Ana - médica, ex utilizadora do Nuvaring, e utilizadora da Yasmin por opção própria.

Ana A. disse...

Obrigada pela informação Sónia.
Pode até ser sensacionalista como disse a Ana, mas é mais uma perspectiva sobre o assunto.
E já agora se me permite, a aplicação do lucro em novos medicamentos que salvam vidas não pode nunca desculpar a falta de informação e possível morte de umas quantas.
Não há vidas mais importantes que outras.

Navajovsky disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Navajovsky disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Navajovsky disse...

QUALQUER contraceptivo hormonal aumenta o risco de tromboses e tromboembolismo, como vem claramente escrito nos folhetos dos próprios. Acho francamente estranho que as mulheres ainda não saibam isso...
O Nuvaring, enquanto contracepção hormonal que é, também aumenta. Mas não há ate agora qualquer indicação de que aumente o risco de uma forma superior à pilula, ou já teria sido lançado o aviso pelas comissões de controlo de medicamentos e o anel retirado do mercado.
O artigo está horrível, extremamente tendencioso e pouco ligado aos factos comprovados, com descrições acerca dos longos cabelos loiros da rapariga a puxar à lagriminha. Quem garante que ela não teria a tromboembolia com uma pílula? Quem garante que ela não tinha até uma mutação a aumentar o risco de trombose, como a senhora do primeiro comentário? Os senhores do artigo alguma vez fizeram estudos comparativos entre o nuvaring e a pílula para ver se o 1º tem mais efeitos secundários associados?(Não, claro!!) O que eles mereciam era um valente processo por parte da nuvaring!

Ass: uma estudante do ultimo ano de medicina, que usa nuvaring há uns aninhos e vai continuar a usar até que saia um artigo com pés e cabeça, e base científica, a dizer que ele é mais arriscado (porque o que eu sei até agora é que é mais prático, mais simples e mais confortável!) ;)

Maria disse...

Vejam o documentário que passa na SIC Notícias sobre os ensaios clínicos e tirem as vossas conclusões.

Krys disse...

Apenas uma nota mais porque penso ser importante, a minha mutacao genetica e hereditaria, e nunca antes na minha familia foram detectadas tromboses ou afins.
Toda a familia foi "obrigada" a fazer os exames geneticos depois de detectado o meu caso e tanto a minha mae como a minha avo apresentaram a mesma mutacao.
A minha duvida hoje em dia prende-se com o facto de que sem saber eu era uma especie de bomba relogio, a tomar a pilula e a fazer viagens de aviao constantes...mas porque raio nao sao os testes geneticos recomendados?? bem sei que sao caros, mas podem salvar vidas, porque se desconhecemos uma realidade nao a podemos evitar...

0000 disse...

Antes de mais, obrigada Sónia.
Eu fui uma das pessoas que se disponibilizou para dar o meu testemunho enquanto utilizadora mas não cheguei a ser contactada até agora e não fazia a mais pequena ideia do que se tratava.

Não sou médica nem estudante de medicina mas li o artigo, por alto, até ao fim (são sete páginas que vão muito além da referência aos cabelos loiros de uma das vítimas) e a certa altura é mencionado um estudo independente (sem fundos da farmacêutica que produz e comercializa o NuvaRing) realizado na República Checa, se não estou em erro, que conclui que a utilização de contraceptivos a partir de 3ª geração (não só o NuvaRing mas algumas pílulas também) aumentam o risco de embolia em mais de 50%, em comparação com o uso de contraceptivos de 2ª geração.

Talvez a minha condição de leiga no assunto tolde a minha conclusão após ler o artigo, mas como fumadora e utilizadora de NuvaRing há 6/7 anos fiquei bastante alarmada, também pelo facto da ginecologista que me receitou este contraceptivo saber que era fumadora e nunca ter mencionado nada.

Já marquei consulta com a minha mais recente ginecologista e estou a considerar passar a utilizar o DIU.

Ana disse...

À Ana A.:

A mim de certeza não precisa de dizer que há vidas que valem mais que outras, ou não trabalhasse eu 80 horas por semana a tentar salvá-las. O que eu quis dizer foi que o risco tromboembólico existe, está descrito extensivamente no folheto informativo (e obviamente que o médico prescritor deve alertar a doente, sem excepções!). Fazer testes em toda a gente para pesquisa de síndromes protrombóticos, face ao risco, não é custo-eficaz (em termos mais simples, depois não sobrava dinheiro nem para tratar cancros, nem enfartes nem AVCs, e aí é que vinha o SNS abaixo!).

Sim, há muita máfia nas empresas farmacêuticas, como há em todas as grandes empresas com enormes capitais. Está correcto? Não. Mas para ser aprovado um medicamento tem de passar "x" fases de testes; não quer dizer que, A LONGO PRAZO, não possam vir a ser descobertos efeitos que obriguem à sua remoção. É imprevisível. Quando isso acontece, a farmacêutica perde financeiramente (nos Estados Unidos, esse país exemplar (COF), basta tossir para cima de alguém que é logo processo crime) - e por isso sugerir que os medicamentos são propositadamente lançados no mercado com objectivos lesivos é, no mínimo, risível.

Débora disse...

Olá.
Não sou utilizadora de Nuvaring mas queria deixar o meu testemunho em relação ao DIU.
Após a minha segunda gravidez em acordo com o ginecologista achamos por bem colocar o DIU visto que me esquecia frequentemente da pílula. Muito bem agendou-se a consulta para colocação e uma outra passado seis meses para ver se estava tudo bem e no sítio. Até aqui nada de problemas até ao dia em que fui verificar se o DIU estava bem e qual surpresa das surpresas o DIU tinha-se deslocado 3cm e corria o sério risco de engravidar. Tive que o retirar. O médico aconselhou-me então um modelo novo de DIU com uma espécie de arpao na ponta para perfurar e prender ao músculo vaginal. Assim seria muito difícil ele sair do sitio. Perfeito bora lá coloca-lo.
Um mês depois comecei a sangrar, era o período nada de mal, até que comecei a sangrar imenso o que me pareceu estranho além disso tinha dores abdominais e fui consulta-lo de urgência e mal ele me examinou verificou que o DIU que supostamente dificilmente saía do sítio já estava quase a sair vagina fora. O medico estava parvo porque em tantos anos de experiência nunca tinha visto nada assim. E disse-me que se não tivesse estado alerta poderia ter tido sérios problemas a conta das hemorragias.
Isto tudo só para vos dizer que todos os métodos de contracepção têm riscos para a saúde.

Cristina disse...

Uso Nuvaring há anos e sempre me dei muito bem!

Francesca disse...

Também sou utilizadora de nuvaring e segundo o meu GO, a maioria das mulheres devia usá-lo porque tem uma concentração de hormonas mais baixa que as pílulas, o que faz com os efeitos secundários diminuam. Usado a longo prazo também é, segundo ele, um bom aliado das nossas artérias. Daí ter também ficado admirada com este artigo....

Mas as médicas que por aqui andam, podem dar a sua opinião sobre o que escrevi e sobre o que o meu GO disse....

Bjs

mi disse...

Usei Nuvoring em 2008, detestei, fiquei triste, em baixo a pôr tudo em causa. A lubrificação também se alterou. Um caos total, para além de causar desconforto durante a realção sexual.Fiquei com o apetite sexual, completamente em baixo. Quando finalmente percebi que era por causa do anel, nunca mais usei.Vi a luz.
Cuidado com o anel, foi das únicas vezes que aconselhei amigas, tudo menos o anel.

Frederica

andreia lucas disse...

É

andreia lucas disse...

É

sofia pinto disse...

Ate me arrepiei.. Eu usei este método contraceptivo durante 6 meses. Durante esses meses notei varias alterações a nível hormonal, nomeadamente um grande aumento de peso, menstruação cada vez mais irregular, imensas dores de cabeça e muitas dores durante o acto sexual.
Ao fim deste tempo optei pela mudança e foi sem duvida o melhor que fiz. Agora tomo a Yasmine e nunca me senti tao bem.